14 novembro 2010

PROPOSTA DE REDAÇÃO




A novidade
(Gilberto Gil)
A novidade veio dar à praia
Na qualidade rara de sereia
Metade o busto de uma deusa maia
Metade um grande rabo de sereia
A novidade era o máximo
Do paradoxo estendido na areia
Alguns a desejar seus beijos de deusa
Outros a desejar seu rabo pra ceia
Ó mundo tão desigual
Tudo é tão desigual
Ó ó ó ó
De um lado este carnaval
De outro a fome total
Ó ó ó ó
E a novidade que seria um sonho
O milagre risonho de sereia
Virava um pesadelo tão medonho
Ali naquela praia, ali na areia
A novidade era a guerra
Entre o feliz poeta e o esfomeado
Estraçalhando uma sereia bonita
Despedaçando o sonho pra cada lado
A educação é o segundo fator para a desigualdade
entre ricos e pobres no Brasil – perde apenas para
o acesso à cultura. A conclusão é do estudo Gasto e
Consumo das Famílias Brasileiras Contemporâneas,
divulgado nesta semana pelo Instituto de Pesquisa
Econômica Aplicada (Ipea).
O trabalho aponta que as famílias mais ricas
gastam 30% a mais que as mais pobres [em educação]
e que quanto maior a renda per capita e o nível de
escolaridade dos chefes de família, maior a parcela
das despesas com educação.
(http://noticias.terra.com.br/educacao – 23/7/2008)

Educação é 2º fator de desigualdade social, diz Ipea

Além da imaginação
Tem gente passando fome.
E não é a fome que você imagina
entre uma refeição e outra.
Tem gente sentindo frio.
E não é o frio que você imagina
entre o chuveiro e a toalha.
Tem gente muito doente.
E não é a doença que você imagina
entre a receita e a aspirina.
Tem gente sem esperança.
E não é o desalento que você imagina
entre o pesadelo e o despertar.
Tem gente pelos cantos.
E não são os cantos que você imagina
entre o passeio e a casa.
Tem gente sem dinheiro.
E não é a falta que você imagina
entre o presente e a mesada.
Tem gente pedindo ajuda.
E não é aquela que você imagina
entre a escola e a novela.
Tem gente que existe e parece imaginação.
(Ulisses Tavares, Viva a Poesia Viva,
São Paulo, Saraiva, 1997)


É impossível deixar de reconhecer a desigualdade econômica e social como o principal
problema do Brasil: qualquer medição da distribuição da riqueza nacional aponta o nosso
país como um dos mais desiguais (se não o mais desigual) do mundo. Utilizando os textos
apresentados como estímulo para reflexão, escreva um texto dissertativo-argumentativo a
respeito do tema: A desigualdade econômica e social no Brasil.
   Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as
reflexões feitas ao longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos
e opiniões para defender seu ponto de vista e suas propostas, sem ferir os direitos humanos.

Instruções:
• Seu texto tem de ser escrito à caneta, na folha padrão.
• Desenvolva seu texto em prosa: nao redija narração nem poema.
• O texto com ate 7 (sete) linhas escritas será considerado texto em branco.
• O texto deve ter, no máximo, 30 linhas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário