27 junho 2016

PREDICAÇÃO VERBAL A BEM DA VERDADE

"PARA TODO FOFOQUEIRO QUE SE PREZE, O VERBO MORRER É SEMPRE TRANSITIVO INDIRETO."

(ESTER LUIZA CORRÊA)


*************************************

23 junho 2016

ELEFANTA, ELEFANTA, ELEFANTA



A flexão de gênero da palavra ELEFANTE, ao menos a mais indicada, dever ser ELEFANTA.

Aos que já ouviram falar da palavra “ALIÁ”, talvez valha o que segue:

Embora a maior parte dos dicionários brasileiros registrem também a palavra “aliá”, verbete este de origem oriental (cingalesa) e que só não caiu em completo esquecimento devido à insistência desses mesmos dicionários em mantê-la viva, com a ajuda de certos professores e redatores de palavras cruzadas.

"Os portugueses, que já conheciam na Índia o animal com presas e lhe davam o nome europeu com o seu gênero próprio, ouvindo que os indígenas (no Ceilão) chamavam comumente aliya ao seu paquiderme (este normalmente sem presas), entenderam que tal era a denominação específica de todo elefante sem presas, quer seja macho quer fêmea`...»

Fontes indicam que a palavra ELEFANTE está atestada desde o século XIV, ALIÁ, desde princípios do século XVII, e ELEFANTA, desde 1844.
Estas datações parecem confirmar ALIÁ como palavra mais antiga que elefanta, apesar de a primeira ter uso muito restrito ou nulo na atualidade.

Na vida real, faz tempo que ninguém chama elefanta de aliá. A maioria dos lexicógrafos de Portugal nem registra o termo.

*******************************************************************

10 junho 2016

FÁBULAS FABULOSAS


                            Cão! Cão! Cão!


    Abriu a porta e viu o amigo que há tanto não via. Estranhou apenas que ele, amigo, viesse acompanhado de um cão. O cão não muito grande mas bastante forte, de raça indefinida, saltitante e com um ar alegremente agressivo. Abriu a porta e cumprimentou o amigo, com toda efusão. "Quanto tempo!". O cão aproveitou as saudações, se embarafustou casa adentro e logo o barulho na cozinha demonstrava que ele tinha quebrado alguma coisa.

    O dono da casa encompridou um pouco as orelhas, o amigo visitante fez um ar de que a coisa não era com ele. "Ora, veja você, a última vez que nos vimos foi..." "Não, foi depois, na..." "E você, casou também?" O cão passou pela sala, o tempo passou pela conversa, o cão entrou pelo quarto e novo barulho de coisa quebrada. Houve um sorriso amarelo por parte do dono da casa, mas perfeita indiferença por parte do visitante. "Quem morreu definitivamente foi o tio... você se lembra dele?" "Lembro, ora, era o que mais... não?"
    O cão saltou sobre um móvel, derrubou o abajur, logo trepou com as patas sujas no sofá (o tempo passando) e deixou lá as marcas digitais de sua animalidade. Os dois amigos, tensos, agora preferiam não tomar conhecimento do dogue. E, por fim, o visitante se foi. Se despediu, efusivo como chegara, e se foi. Se foi.
    Mas ainda ia indo, quando o dono da casa perguntou: "Não vai levar o seu cão?" "Cão? Cão? Cão? Ah, não! Não é meu, não. Quando eu entrei, ele entrou naturalmente comigo e eu pensei que fosse seu. Não é seu, não?"

  Moral: Quando notamos certos defeitos nos amigos, devemos sempre ter uma conversa esclarecedora.



                                                                     (Milôr Fernandes)

09 junho 2016

EXERCÍCIOS - FUNÇÕES DA LINGUAGEM

01. Assinale a alternativa em que a função apelativa da linguagem é a que prevalece:
A) Trago no meu peito um sentimento de solidão sem fim... sem fim...
B) “Não discuto com o destino o que pintar eu assino.”
C) Machado de Assis é um dos maiores escritores brasileiros.
D) Conheça você também a obra desse grande mestre.
E) Semântica é o estudo da significação das palavras.
02. Identifique a frase em que a função predominante da linguagem é a REFERENCIAL:
A) Dona Casemira vivia sozinha com seu cachorrinho.
B) Vem, Dudu!
C) Pobre Dona Casemira...
D) O que ... O que foi que você disse?
E) Um cachorro falando?
03. A função metalinguística predomina em todos os fragmentos, exceto em:
A) “Amo-te como um bicho simplesmente de um amor sem mistério e sem virtude com um desejo maciço e permanente.” (Vinicius de Morais)
B) “Proponho-me a que não seja complexo o que escreverei, embora obrigada a usar as palavras que vos sustentam.” (Clarice Lispector)
C) “Não narro mais pelo prazer de saber. Narro pelo gosto de narrar, sopro palavras e mais palavras, componho frases e mais frases.” (Silviano Santiago)
D) “Agarro o azul do poema pelo fio mais delgado de lã de seu discurso e vou traçando as linhas do relâmpago no vidro opaco da janela.” (Gilberto Mendonça Teles)
E) Que é Poesia? Uma ilha cercada de palavras por todos os lados.” (Cassiano Ricardo)
04. O texto seguinte também é de natureza poética. Nele, qual a função secundária da linguagem?
“Lutar com as palavras
é a luta mais vã.
Entanto lutamos
mal rompe a manhã.” (Carlos Drummond de Andrade)

A) Função emotiva.
B) Função conativa.
C) Função referencial.
D) Função metalinguística.
E) Função fática.
05. “Se eu não vejo a mulher que eu mais desejo, Nada que eu veja vale o que eu não vejo.”
 Nesses versos do poeta provençal Bernart de Ventadorn (século XII), vertidos para o português pelo poeta Augusto de Campos, é evidente o predomínio da função poética da linguagem, notável nos ritmos, nos jogos sonoros e no fraseado. Ao lado dessa função, destaca-se a presença da:
A) função emotiva.
B) função conativa.
C) função referencial.
D) função metalinguística.
E) função fática.
06.                                  BILHETE
Se tu me amas,                                     Se me queres,                                   ama-me baixinho                                   enfim,
Não o grites de cima dos telhados        tem de ser bem devagarinho, Amada,
Deixa em paz os passarinhos               que a vida é breve,
Deixa em paz a mim!                            e o amor mais breve ainda... (Mário Quintana)

Além da função poética, outra função que se percebe no poema é:
A) função emotiva.
B) função conativa.
C) função referencial.
D) função metalinguística.
E) função fática.
07.  A biosfera, que reúne todos os ambientes onde se desenvolvem os seres vivos, se divide em unidades menores chamadas ecossistemas, que podem ser uma floresta, um deserto e até um lago. Um ecossistema tem múltiplos mecanismos que regulam o número de organismos dentro dele, controlando sua reprodução, crescimento e migrações. DUARTE, M. O guia dos curiosos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.   

Predomina no texto a função da linguagem:
A) emotiva, porque o autor expressa seu sentimento em relação à ecologia. B) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação.
C) poética, porque o texto chama a atenção para os recursos de linguagem. 
D) conativa, porque o texto procura orientar comportamentos do leitor. 
E) referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.























































































08. Considerando a tirinha, pode-se concluir que, nela, está presente a função da linguagem denominada:
A. fática, pois vários termos, embora desprovidos de significado, permitem o início do processo comunicativo.
B. metalinguística, pois se reflete sobre o valor das palavras, isto é, sobre o uso da língua e sua função social.
C. apelativa, pois está ausente a intenção de atingir o receptor com o intuito de modificar o seu comportamento.
D. emotiva, pois o eu lírico pode expressar livremente as emoções com as quais está em conflito.
E. poética, pois o importante é passar as informações de forma clara e objetiva, desprezando-se a preocupação com a elaboração da linguagem.

GABARITO: 1D - 2A - 3A - 4D - 5A - 6B - 7E - 8B

LISTA COM OS PRINCIPAIS HOMÔNIMOS E PARÔNIMOS

acender (colocar fogo)
ascender (subir)
acento (sinal gráfico)
assento (local onde se senta)
acerto (ato de acertar)
asserto (afirmação)
apreçar (ajustar o preço)
apressar (tornar rápido)
bucho (estômago)
buxo (arbusto)
caçar (perseguir animais)
cassar (tornar sem efeito)
cegar (deixar cego)
segar (cortar, ceifar)
cela (pequeno quarto)
sela (forma do verbo selar; arreio)
censo (recenseamento)
senso (entendimento, juízo)
céptico (descrente)
séptico (que causa infecção)
cerração (nevoeiro)
serração (ato de serrar)
cerrar (fechar)
serrar (cortar)
cervo (veado)
servo (criado)
chá (bebida)
xá (antigo soberano do Irã)
cheque (ordem de pagamento)
xeque (lance no jogo de xadrez)
círio (vela)
sírio (natural da Síria)
concertar (ajustar, combinar)
consertar (reparar, corrigir)
concerto (sessão musical)
conserto (reparo)
coser (costurar)
cozer (cozinhar)
esotérico (secreto)
exotérico (que se expõe em público)
espectador (aquele que assiste)
expectador (aquele que espera)
esperto (perspicaz)
experto (experiente, perito)
espiar (observar)
expiar (pagar pena)
espirar (soprar, exalar)
expirar (terminar)
estada (permanência de pessoas)
estadia (permanência de veículos)
estático (imóvel)
extático (admirado)
esterno (osso do peito)
externo (exterior)
estrato (camada)
extrato (o que se extrai de algo)
estremar (demarcar)
extremar (exaltar, sublimar)
incerto (não certo, impreciso)
inserto (inserido, introduzido)
incipiente (principiante)
insipiente (ignorante)
intemerato (honesto, íntegro)
intimorato (destemido, corajoso)
laço (nó)
lasso (frouxo)
ruço (pardacento, grisalho)
russo (natural da Rússia)
tacha (prego pequeno)
taxa (imposto, tributo)
tachar (atribuir defeito a)
taxar (fixar taxa)

08 junho 2016

EXERCÍCIOS - TERMOS DA ORAÇÃO













01 - A análise sintática é definida pela relação que se estabelece entre palavras ou grupos de palavras dentro de um contexto. Relacione a 2ª coluna de acordo com a 1ª, observando a correta classificação dos termos destacados. A seguir, assinale a alternativa CORRETA:
1. Objeto direto preposicionado
2. Objeto indireto
3. Complemento nominal
4. Agente da passiva
(    ) “ A geração passada é sempre criticada pela próxima.”
(    ) “ Para muitos a casa própria é a realização de um sonho.”
(    ) “ A violência é um mal que atinge a todos.”
(    ) “... Aponte-me um indivíduo que não necessite de carinho.”
A) 3, 4, 2, 1
B) 1, 3, 2, 4
C) 2, 1, 4, 3
D) 4, 3, 1, 2
E) 4, 2, 3, 1

02. Em: As ruas foram lavadas pela chuva / Tinha grande amor à humanidade / Ele é carente de virtudes. Os termos destacados são, respectivamente:
A) complemento nominal, agente da passiva, complemento nominal
B), agente da passiva, complemento nominal, objeto indireto
C) objeto indireto, objeto direto preposicionado, objeto indireto
D) agente da passiva, complemento nominal, complemento nominal
E) objeto direto, objeto indireto, complemento nominal

03. Marque V para Verdadeiro e F para falso conforme a função correspondente ao termo em destaque:
(   ) Comer demais traz malefícios à saúde.
       (complemento nominal)
(   ) Jamais me esquecerei de ti.
       (objeto indireto )
(   ) Ele foi cercado de amigos sinceros.
       (complemento nominal)
(   ) Não tens interesse pelos estudos.
       (agente da passiva)
(   ) Ele simpatizava com todos a sua volta.      
       (objeto indireto)

04. Em todas as alternativas abaixo, há objeto direto preposicionado, exceto em:
A) Acho que ela não se referia a ninguém em especial.
B) Marta namora a qualquer um que lhe dê atenção.
C) Para sair com a turma o diretor escolheu a nós.
D) Ofenderam a mim e não a ele.
E) O professor elogiou a todos.

05. O agente da passiva foi corretamente destacado em todas as opções, exceto em:
A) O presídio tinha sido cercado pelos soldados.
B) Ela é autorizada pela organizadora da festa.

C) O time foi derrotado para desespero da torcida.
D) O mestre foi homenageado pelos alunos.
E) A casa foi destruída pela inundação.


06. Assinale a frase em que o objeto direto é pleonástico:
A) A borboleta negra, encontrei à noite.
B) Eu a sacudi de novo.
C) Fiquei a olhar o cadáver com simpatia.
D) Um golpe de toalha rematou a aventura.
E) O retrato de meu pai, vi-o próximo à janela.

07. "A recordação da cena fere-me a alma até hoje". Os termos em destaque são:
A) objeto indireto – objeto indireto;
B) complemento nominal – objeto direto;
C) objeto indireto – objeto direto;
D) complemento nominal – objeto indireto;
E) agente da passiva – objeto indireto.

08. Assinale a frase cujo termo sublinhado não é sujeito:                                                                                          
A) Ouviam-se vozes estranhas.                                                          
B) Pensava-se em coisas estranhas.                                              
C) Viam-se coisas estranhas.                                                       
D) Expunham-se coisas estranhas.                                                  
E) Propagavam-se vozes estranhas.

09. Assinale a alternativa em que o termo grifado é complemento nominal:
A) A enchente alagou a cidade.
B) Precisamos de mais informações.
C) A resposta ao aluno não foi convincente.
D) O professor não quis responder ao aluno.
E) Muitos caminhos foram abertos pelos bandeirantes.

10. Assinale a alternativa correta em relação à classificação dos predicados das orações abaixo.
1. Todos nós consideramos a sua atitude infantil.                             
2. A multidão caminhava pela estrada poeirenta.
3. A criançada continua emocionada.

A.  1 – predicado verbal, 2 – predicado nominal, 3    – predicado verbal.
B.  1 – predicado nominal, 2 – predicado verbal, 3 – predicado verbo-nominal.
C.  1 – predicado verbo-nominal, 2 – predicado verbal, 3 – predicado nominal.
D.  1 – predicado verbo-nominal, 2 – predicado nominal, 3 – predicado verbal.
E.  1 – predicado nominal, 2 predicado verbo-nominal,3 predicado nominal.

11. Classifique o termo em destaque conforme a 1ª coluna:
( 1 ) Adjunto adnominal                                                      
( 2 ) Adjunto adverbial                                                       
( 3 ) Vocativo                                                                            
( 4 ) Aposto

(    ) A enchente alagou a cidade de Blumenau.                                             
(    ) “Obedecei, meninos, às leis do vosso país.”                                                               
(    ) A voz ainda saía bonita                                                  
(    ) "Tens um coração de ouro!”    
          
12. Em "Usando do direito que lhe confere a Constituição", as palavras grifadas exercem a função, respectivamente, de:
A) objeto direto e objeto direto
B) sujeito e objeto indireto
C) objeto indireto e sujeito
D) sujeito e sujeito
E) objeto direto e objeto indireto

13. . "Não faças a outrem o que não queres que te façam."  Na oração "não faças a outrem ", a expressão sublinhada é:
A) objeto indireto
B) objeto direto preposicionado
C) sujeito da passiva 
D) adjunto adverbial de modo
E) predicativo do sujeito

14. . Na voz passiva o sujeito sofre a ação expressa pelo verbo. Assinale a alternativa cuja oração não está em voz passiva:
A) Sua mente será ampliada pela leitura.
B) Ele foi transformado pela fé.
C) Abel foi morto por Caim.
D) Todos têm simpatia pelo professor.
E) A população seria protegida pela força policial.

15. Analise o pronome oblíquo nas orações e marque a sequência adequada:
( D ) para objeto direto
( I  ) para objeto indireto

1. (   )  Emprestei-lhe o dinheiro.
2. (   )  Espero-o na estação.
3. (   )  Não nos viram na estação.
4. (   )  Isto nos pertence.
5. (   )  Eles me convidaram para festa.

A). I, D, D, I, D
B). I, D, I, D, I
C). D, D, D, I, I
D). I, I, D, D, D
E). D, I, D, I , D  
                                                                      
16. No trecho que segue: “Se você ama alguém, deixe-o livre. Se ele voltar, é seu. Se não, nunca foi.” o termo sublinhado corresponde a um:
A) predicativo do sujeito
B) adjunto adnominal
C) predicativo do objeto
D) complemento nominal
E) objeto direto

17. Assinale a frase em que ocorre objeto direto preposicionado:

A) Ainda não respondi à carta de Beatriz.
B) Muitos encontram a paz servindo o próximo.
C) Quem resiste a seus encantos?
D) Não se prenda a minúcias.
E) Será que as barbas longas honram mais a quem as cultiva?

18.  Assinale a alternativa cujo objeto não é pleonástico:
A) A casa, nós já reformamos.
B) Seus cavalos, ela os montava com frequência.
C) A mim, quem pode me ajudar?
D) O carro, já o revisamos.
E) A ele, não lhe devo nada.

19. Assinale a alternativa em que a expressão grifada tem a função de complemento nominal:
A) A curiosidade do homem incentivava-o à pesquisa.
B) A cidade de Londres merece ser conhecida por todos.
C) O respeito ao próximo é dever de todos.
D) O pobre homem mendigava pela cidade.
E) O receio de errar, normalmente, dificulta o aprendizado das línguas.

20. Assinale a alternativa em que aparece um predicado verbo nominal.                                                                            
A. Os viajantes chegaram cedo ao destino.
B. Demitiram o secretário da instituição.
C. A música deixava-o sensível demais.
D. Parecia que todos se atrasariam para a reunião.
E. Estava irritado com as brincadeiras.


*************************************************


GABARITO: 1D - 2D - 3(V-V-F-F-V) - 4A - 5C - 6E - 7D - 8B - 9C - 10C
11(4-3-2-1) - 12E - 13A - 14D - 15A - 16C - 17E - 18A -19C - 20C.