23 outubro 2011

POESIA CONTEMPORÂNEA



















Poesia marginal

Paulo Leminski

Paulo Leminski Filho, nascido em Curitiba, Paraná, em 1944 (34 de agosto, Virgo). Mestiço de polaca com negro, sempre viveu no Paraná (infância no interior de Santa Catarina).
Publicou: Catatau (prosa experimental;, em 1976, Curitiba, ed. do autor. Não Fosse Isso e Era Menos / Não Fosse Tanto e Era Quase e Polonaise (poemas,1980).
Faixa-preta e professor de judô, viveu em Curitiba com a poeta Alice Ruiz, com a qual teve duas filhas.
Morreu no dia 7 de junho de 1989.

*************************

DISTÂNCIAS MÍNIMAS

um texto morcego
se guia por ecos
um texto texto cego
um eco anti anti anti antigo
um grito na parede rede rede
volta verde verde verde
com mim com com consigo
ouvir é ver se se se se se
ou se se me lhe te sigo?

*************************

DESENCONTRÁRIOS

Mandei a palavra rimar,
ela não me obedeceu.
Falou em mar, em céu, em rosa,
em grego, em silêncio, em prosa.
Parecia fora de si,
a sílaba silenciosa.
Mandei a frase sonhar,
e ela se foi num labirinto.
Fazer poesia, eu sinto, apenas isso.
Dar ordens a um exército,
para conquistar um império extinto.

*************************

INCENSO FOSSE MÚSICA

Isso de querer
ser exatamente aquilo
que a gente é
ainda vai
nos levar além


*************************

DESARRANJOS FLORAIS

Abrindo um antigo caderno
foi que eu descobri
antigamente eu era eterno


*************************

Eu

Quando olho nos olhos
sei quando uma pessoa
está por dentro
ou está por fora
quem está por fora
não segura
um olhar que demora

*************************

POLONAISES

Aqui
nesta pedra
alguém sentou
olhando o mar
o mar
não parou
pra ser olhado
foi mar
pra tudo quanto é lado

*************************

Amor

Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéria-prima
que a vida se encarrega
de transformar em raiva.
Ou em rima.


*************************

Nenhum comentário:

Postar um comentário