15 julho 2011

FIGURAS DE LINGUAGEM - 1



























1. FIGURAS DE PALAVRAS OU TROPOS

Consiste na alteração semântica, no desvio do sentido peculiar da palavra ou expressão, como se pode ver no seguinte exemplo: “As nuvens são cabelos/crescendo como rios.” João Cabral de Melo Neto. Aqui, o poeta atribui às nuvens um sentido que extrapola o fenômeno meteorológico. Ele as vê como “cabelos crescendo...”

De acordo com a expressividade as figuras de palavras denominam-se:

a) Metáfora: Processo em que o usuário, baseado numa comparação implícita, subjetiva, emocional transfere o sentido de um termo para outro.  

Exemplos:
Disse o poeta: — Sou de ferro.
O chão era um braseiro.
Que flor é essa menina!

b) Metonímia: Ocorre ao se efetuar a substituição de um termo por outro, tendo em vista uma relação interna, de pertinência ou de contiguidade entre eles. Neste caso, alguns preferem chamar sinédoque.
Assim, é possível empregar-se:

1. O autor em lugar de sua obra:
Exemplo: Conhecer Machado de Assis renova o intelecto.
2. A região por aquilo que lá se produz:
Exemplo: Um havana é caríssimo!
3. O objeto por seu usuário:
Exemplo: Nunca param as foices no campo.
4. A causa em lugar do efeito:
Exemplo:  Mantém-se de trabalhos esporádicos.
5. O abstrato em lugar do concreto:
Exemplo: Era maravilhoso conviver com aquela bondade.
6. O efeito em lugar da causa:
Exemplo: O inverno matara a plantação.
7. O continente pelo conteúdo:
Exemplo: Você já bebeu seis copos?
8. O símbolo por aquilo que representa:
Exemplo: Muitos infiéis aceitaram a cruz.

c) Perífrase ou antonomásia: Expressão que substitui o nome real, dando ideia de uma característica marcante.

Exemplos: 
O Cisne negro compôs belos poemas simbolistas.
Pelé, o Rei do Futebol, fez muitíssimo pelo esporte.
A Cidade Luz encantou gerações.
O rei dos animais já perdeu muito de sua fama.

d) Catacrese: A rigor é uma metáfora que perdeu o caráter expressivo, vulgarizou-se, tornando-se praticamente linguagem denotativa.

Exemplos: Um dente de alho; o céu da boca; este braço de mar...

e) Sinestesia: Uso múltiplo dos órgãos sensorial, fundindo-se dois sentidos ou mais (olfato, visão, audição, gustação e tato).

 Exemplo:  
"Mais claro e fino do que as finas pratas / O som da tua voz deliciava ... / Na dolência velada das sonatas / Como um perfume a tudo perfumava. / Era um som feito luz, eram volatas / Em lânguida espiral que iluminava / Brancas sonoridades de cascatas ... / Tanta harmonia melancolizava." (Cruz e Souza)
Obs.: Para Rocha Lima, representa uma modalidade de metáfora

f) Anadiplose: É a repetição de palavra ou expressão de fim de um membro de frase no começo de outro membro de frase.

Exemplo:
"Todo pranto é um comentário. Um comentário que amargamente condena os motivos dados."



************************************

Nenhum comentário:

Postar um comentário