14 novembro 2010

AS LÍNGUAS ROMÂNICAS




 Com a invasão da Península Ibérica por povos bárbaros
de origem germânica, como os suevos, vândalos e visigodos,
no século V d.C., a língua latina, dominante desde o século
III a.C, sofreu grandes influências, mas sua base românica,
consolidada durante tantos séculos, não foi alterada.
No entanto, esse processo, aliado ao esfacelamento
do Império Romano, libera as forças linguísticas 
desagregadoras, de tal forma que em fins do século V 
os dialetos regionais já estariam mais próximos dos
idiomas românicos do que do próprio latim.
  Começa então o período do romance ou
romanço , denominação que se dá à língua
nessa fase de transição, que mistura o latim
vulgar e os dialetos ibéricos, dando origem
às diversas línguas românicas , ou neolatinas.
   Entre elas, as mais importantes são:
francês, espanhol, italiano, sardo, provençal,
rético, catalão, português, franco-provençal,
dálmata e romeno.
    Mas as invasões à Península Ibérica prosseguiram. No
século VIII é a vez dos árabes: vindos do norte da África,
eles conquistam a região. Sua influência foi tão forte na
língua que se acentuaram ainda mais as diferenças entre os
vários romances existentes. Com a chegada dos povos árabes,
floresceram na Península as ciências e as artes, bem
como a agricultura, a indústria e o comércio, com conseqüente
introdução de inúmeras palavras para designar novos
e variados conhecimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário