15 junho 2012

A DIFÍCIL ARTE DE SABER AMAR

 
 
   



















      Se tudo fosse — “Eu te amo. Você me ama?" Resposta: “Amo". Pronto! Seria simples. E foram felizes paro o resto da vida. Quando tal diálogo acontece e duas pessoas percebem que se amam, aí a dúvida e a confusão não terminam. Começam! Não está disposto na lei da vida que duas pessoas que se amam saibam amar. O normal é as duas não saberem. Raro é as duas saberem. O habitual é uma saber e aguentar o rojão pela outra. Saber! amar! Quanta gente prefere viver com alguém que sabe amar, mesmo que não o ame! Quanto amor pode brotar da relação com quem sabe amar! Quem sabe amar pode até realizar o milagre de acabar recebendo o amor de quem não o ama, ou ama e não sabe. Saber amar é conhecer o amor como forma de arte. O amor é apenas um sentimento, enquanto que saber amar é uma criação, visão estética do amor. Tanto é flor na hora certa, como presente fora de hora. Saber amar implica conhecer sabedorias que o amor não sabe, como esperar, deixar fluir, não invadir as dúvidas do outro, abafar nem impedir que a outra parte supere a fossa, a angústia ou a dor que a oprime. Quem ama desama junto. Quem sabe amar, por conhecer a medida exata dos orgulhos que valorizam o amor, suporta tal sentimento, desde que seja passageiro, é claro. Quem ama, quando cansa, pode voltar a amar. Quem sabe amar, quando desliga, é para sempre. É mais fácil afrontar a quem ama do que a quem sabe amar. Este conhece tanto a importância do seu sentimento, que, quando o retira, machucado, incompreendi­do ou ferido de morte, é para sempre. Cuidado com quem ama! Mas cuidado maior com quem sabe amar! Quem perde um amor perde menos do que quem perde alguém que sabe amar. Saber amar é depender. Não é ser servil. Não é viver agradando, não é fazer o que o outro quer. Saber amar é ter as reações certas, de compreensão e crítica; é ocupar todo o seu lugar no espaço e no tempo do sentimento e da emoção do outro. Saber amar é até saber desistir. Saber amar é aquela parte que, partindo do amor, procura (até encontrar) a parte do outro que um dia saberá amar. E a encontrando tem paciência, afeto e tolerância. A menos que descubra que ela não merece. Porque saber amar é também ter a coragem das renúncias, bravura raramente em quem, apenas, ama.
                                                                                                             (Artur da Távola)

************************************************ 

Sobre o escritor ; Artur da Távola, o pseudônimo de Paulo Alberto Moretzsohn Monteiro de Barros, (Rio de Janeiro, 3 de janeiro de 1936 — Rio de Janeiro, 9 de maio de 2008) foi um advogado, jornalista, radialista, escritor, professor e político brasileiro.

************************************************* 

Nenhum comentário:

Postar um comentário