Pular para o conteúdo principal

EXEMPLO DE DISSERTAÇÃO




Liberdade Carcerária

        O homem contemporâneo não vive mais à mercê da escravidão, nem a ele são negados  os direitos que fundamentam sua liberdade. Ainda assim, a sociedade moderna é incapaz de  tornar tangível a tão sonhada felicidade. Esse emblemático contrassenso  tem duas colunas de sustentação: a passividade coletiva e a evolução estratégica de alienação das massas.
      Sabe-se que, em tempos virtuais, não sobra ao indivíduo tempo real para a realização de todas as suas tarefas ou faltam--lhe critérios para a gestão das mesmas. Tanto é verdadeira a afirmação quanto é comum ouvir, entre lamentos e resmungos, os mesmos jargões de sempre: " Não tive tempo", " Não consegui terminar", "Não vou poder fazer isso", Não vai ser possível de novo". O pior de tudo isso é a sensação de "mea culpa" que se absorve inconscientemente, tornando possível e permissível toda e qualquer situação considerada, socialmente, inconveniente.
     Além  do comodismo, outro empecilho característico da atual estrutura global que impossibilita ao homem uma vida plena e equilibrada, diz respeito à nova forma de alienação social. É certo que no passado havia os grilhões que cingiam os punhos dos escravos. Havia, também, O Muro de Berlim. Hoje, já não se podem divisar as fronteiras da opressão das massas. Fala-se em liberdade de escolha, mas esquece-se que só se pode escolher entre aquilo que se encontra à disposição. Exemplificando, que liberdade tem alguém ao optar por um programa de televisão ou ao fazer valer seu direito ao voto eleitoral? Tudo que se Pode  fazer é escolher entre o ruim , o mau e o pior!
     A verdade é que o homem precisa, urgentemente, fazer a distinção entre prazer e felicidade, haja vista que é próprio desta geração a busca pelo prazer com a mesma intensidade com que desconhecem a felicidade, a qual tem sua medida no direito e acesso à liberdade, e, convém frisar, liberdade só tem valor quando vem acompanhada da capacidade de transcendência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

EXERCÍCIOS - ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS E ADJETIVAS

EXERCÍCIOS SOBRE ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

01. A opção em que a oração subordinada pode ser considerada adverbial condicional é: a) Desde que o vi, me apaixonei. b) Desde que tenho muito trabalho hoje, não poderei sair. c) Permanecerei aqui, desde que você permaneça. d) Diga-me se a proposta lhe interessa. e) Falou sem que nos convencesse.
02. As orações subordinadas adverbiais assinaladas estão classificadas. assinale a alternativa cuja classificação esteja errada: a) “Nunca chegará ao fim por mais depressa que ande.” (oração subordinada adverbial concessiva) b) “Era tal a serenidade da tarde que se percebia o sino de uma freguesia distante, dobrando a finados.” (oração subordinada adverbial consecutiva). c) Mesmo que faça calor, não poderemos nadar. (oração subordinada adverbial concessiva) d) Ela era tão medrosa, que não saía de casa. (oração subordinada adverbial comparativa) e) Se tudo correr bem, levar-te-ei à Europa. (oração subordinada adverbial condicional)
03. No período: "Era tal a serenidade da tarde, que se percebia o sin…

EXERCÍCIOS - FUNÇÕES DA LINGUAGEM

01. Assinale a alternativa em que a função apelativa da linguagem é a que prevalece: A) Trago no meu peito um sentimento de solidão sem fim... sem fim... B) “Não discuto com o destino o que pintar eu assino.” C) Machado de Assis é um dos maiores escritores brasileiros. D) Conheça você também a obra desse grande mestre. E) Semântica é o estudo da significação das palavras. 02. Identifique a frase em que a função predominante da linguagem é a REFERENCIAL: A) Dona Casemira vivia sozinha com seu cachorrinho. B) Vem, Dudu! C) Pobre Dona Casemira... D) O que ... O que foi que você disse? E) Um cachorro falando? 03. A função metalinguística predomina em todos os fragmentos, exceto em: A) “Amo-te como um bicho simplesmente de um amor sem mistério e sem virtude com um desejo maciço e permanente.” (Vinicius de Morais) B) “Proponho-me a que não seja complexo o que escreverei, embora obrigada a usar as palavras que vos sustentam.” (Clarice Lispector) C) “Não narro…